sexta-feira , 25 de Maio de 2018
Home / Artigos / Curiosidades / “Bella Ciao” o hino de resistência em “La Casa de Papel”
Kindle paperwhite: Prático como você

“Bella Ciao” o hino de resistência em “La Casa de Papel”

É possível que você ainda não tenha assistido à série espanhola “La Casa de Papel”, mas dificilmente não ouviu falar sobre ela. A série, que teve sua primeira parte disponibilizada pela Netflix, tornou-se um fenômeno no Brasil e os fãs sequer esperaram para que a parte final chegasse ao serviço de streaming, que está prometida para abril. Uma simples busca no Google já retorna vários resultados com o desfecho da aventura do Professor e de seus pupilos no sequestro à casa da moeda espanhola.

A série, não só tem um excelente roteiro, como também é uma obra prima em fotografia e trilha sonora. Uma das canções que chama atenção no decorrer dos capítulos acontece em uma cena de flashback, quando Berlim (Pedro Alonso) instiga o Professor (Álvaro Morte) a cantar “Bella Ciao”, motivando-o na luta que estavam prestes a travar. Para quem assistiu a série pela Netflix, a cena aparece no último episódio da primeira temporada.

“Bella Ciao” é uma canção popular italiana, provavelmente composta no fim do século XIX, que teria sua origem entre os camponeses. Durante a Primeira Guerra Mundial, sua melodia foi utilizada como base para uma canção de protesto, tornando-se símbolo da resistência italiana ao fascismo durante a Segunda Guerra Mundial. A canção ultrapassou fronteiras e foi utilizada em protestos de partidos de esquerda em diversas ocasiões, tornando-se bastante popular e ganhando versões de vários artistas pelo mundo. “La Casa de Papel” fez com que a música retornasse à cultura pop, sendo bastante procurada em serviços de música por streaming, Youtube e outras mídias, ganhando inclusive uma versão para as arquibancadas da torcida do Fluminense e, provavelmente, muito em breve será replicada em outras torcidas do país.

 

 

Se você é fã da série, “Bella Ciao” deve estar aí martelando em sua cabeça desde que foi cantarolada, nos fazendo torcer ainda mais pelos personagens principais. Também pudera, um idealista que coloca um exército vermelho para derrubar o sistema, merece a nossa torcida.

Segue a versão entoada na série:

Una mattina mi son alzato,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
Questa mattina mi son alzato,
ed ho trovato l’invasor.
O partigiano, portami via,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
O partigiano, portami via,
che mi sento di morir.
E se io muoio da partigiano,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
E se io muoio da partigiano,
tu mi devi seppellir.
E seppellire lassù in montagna,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
E seppellire lassù in montagna,
sotto l’ombra di un bel fior.
E le genti che passeranno,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
E le genti che passeranno,
Mi diranno che bel fior!
È questo il fiore del partigiano,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
È questo il fiore del partigiano,
morto per la libertà!

Tradução:

Acordei de manhã
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
Acordei de manhã
E deparei-me com o invasor
Ó resistente, leva-me embora
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
Ó resistente, leva-me embora
Porque sinto a morte a chegar.
E se eu morrer como resistente
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
E se eu morrer como resistente
Tu deves sepultar-me
E sepultar-me na montanha
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
E sepultar-me na montanha
Sob a sombra de uma linda flor
E as pessoas que passarem
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
E as pessoas que passarem
Irão dizer-me: «Que flor tão linda!»
É esta a flor
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
É esta a flor do homem da Resistência
Que morreu pela liberdade!

 

Compartilhe:

Sobre Rodrigo Barros

Rodrigo Barros
Empreendedor e escritor, Rodrigo Barros é bacharel em Biblioteconomia e em Sistemas de Informação, com pós-graduação em Gerência de Projetos e MBA em Gestão de Marketing.

Veja também

A história do saneamento básico no Brasil

O primeiro indício de saneamento no Brasil ocorreu em 1561, quando Estácio de Sá mandou …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Web Analytics