terça-feira , 16 de outubro de 2018
Home / Poemas / Cálice
Kindle paperwhite: Prático como você

Cálice

Compartilhe:

Ao negro cabe a barriga vazia,
Não se pode lutar por liberdade.
Driblar a fome não lhe cabia.
Ousou ser a voz da diversidade.

Quis ser política, mestre e cientista,
Sair da Maré sem esperar sequela.
Arriscou ser mais do que cotista,
Livrando-se dos grilhões de uma favela.

Do preto só se espera temer a polícia,
Lutar por direitos é invenção,
Deve dormir sob o domínio da milícia,
Ao invés de fiscalizar Intervenção.

Calou-se a resistência pela rua,
Um disparo que a vida silencia.
A certeza desponta nua e crua,
O terrorismo, a cidade evidencia.

Apenas o lamento, não acalanta,
A execução emudece a labuta,
Tragaram a dor da filha da santa,
Deixando-nos com o filho da “outra”.

Voltamos a beber dessa bebida amarga,
O cálice impulsiona o bumerangue,
Que afastem de mim o horror da farda,
E do vinho tinto de sangue.

Artigos relacionados

Compartilhe:

Sobre Rodrigo Barros

Rodrigo Barros
Empreendedor e escritor, Rodrigo Barros é bacharel em Biblioteconomia e em Sistemas de Informação, com pós-graduação em Gerência de Projetos e MBA em Gestão de Marketing.

Veja também

Ele não

Me perdoe a intromissão, Mas preciso lhe alertar, Não é tempo de se isentar, E …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Web Analytics