Kindle paperwhite: Prático como você

Europa Comunista – Raiam Santos

Compartilhe:
Europa Comunista Book Cover Europa Comunista
Raiam Santos
163
Kobe
História
2016

Sinopse:

Com aquele papo reto e direto que já virou sua marca registrada, o jovem escritor best-seller Raiam dos Santos (Vencedor do Prêmio Amazon 2016 e best-seller com Hackeando Tudo e Wall Street) dá uma aula de cultura, macroeconomia, história e sagacidade numa das regiões mais instáveis e perigosas do mundo.

Sua missão? Viajar por 10 países do leste europeu em apenas 10 dias e escrever um livro com as primeiras impressões de cada lugar.

A principal questão? O que acontece com uma nação depois do comunismo?

Para responder essa pergunta, Raiam se infiltrou nos mais variados lugares da Península Balcânica e trocou ideia com extremistas muçulmanos, membros da máfia local, oligarcas multimilionários, funcionários públicos, microempresários, universitários recém-formados e traficantes de drogas em países que passaram meio século sob dominação comunista como Eslováquia, Hungria, Sérvia, Croácia, Bósnia e Herzegovina, Kosovo, Macedônia e Bulgária.

Sobre o Autor

Vencedor do Prêmio Amazon 2016 na categoria Negócios, Raiam Santos é escritor de obras de não-ficção voltadas ao público jovem.

Brasileiro de nascença, Raiam passou a adolescência nos Estados Unidos e formou-se em Economia, Relações Internacionais e Letras na Universidade da Pensilvânia, onde também se destacou como jogador de futebol americano.

A Resenha:

Eu tive acesso a um livro chamado “Europa Comunista”, pela Ubook, que é a principal plataforma de audiolivros do Brasil, ainda que agora, conte também com livros digitais, e em breve, o catálogo de e-books da Cartola Editora estará por lá. Olha aí uma notícia boa.

A premissa da obra, do autor Raiam Santos, me parecia promissora: trazer uma ideia de o porquê de o Comunismo não ter dado certo no Leste Europeu. Deixando na sinopse, a dúvida se ele não deu mesmo certo em toda a Europa, ou se deu certo em alguns países.

Todo o projeto do livro me chamou a atenção. Um brasileiro que viajou ao Leste Europeu, conferindo de perto a realidade desses países, levando na bagagem um estudo histórico sobre a região e aprendendo sobre um novo mundo com uma nova geração.

Quando tenho acesso a esse tipo de livro, procuro fugir do clichê neoliberal de ataque ao comunismo. As prateleiras das livrarias estão lotadas de livros assim, onde o foco é mostrar o porquê de o Comunismo não dar certo, ignorando o que está diante de nossos olhos: O Capitalismo não funciona, nunca funcionou e jamais funcionará, mas esse é um papo para outro texto. Não busco obras em que o autor pensa como eu, longe disso, gosto de ler opiniões divergentes, até para formar um pensamento próprio.

Como a possibilidade de ler sobre o que deu e o que não deu certo na experiência comunista no Leste Europeu chamou minha atenção, comecei a leitura, apostando no que parecia uma obra séria. Nem sempre busco informações sobre o autor antes de iniciar a leitura, mas deveria fazê-lo. Teria me poupado tempo.

O autor deixa claro que o objetivo da obra é fugir do estereótipo de “blogueiro ostentação em viagem”, e sim ter uma análise mais profunda dos países que visitou. Apesar da pouca idade, o autor é economista e poderia trazer uma percepção interessante sobre o Leste Europeu. Até aqui, as informações sobre o autor se limitavam ao que ele mesmo escrevia nas primeiras páginas do livro.

Logo no início ele afirma que a ideia de um passeio pela península balcânica seria apenas um plano de fundo para escrever um livro com críticas “escrachadas” a Karl Marx, Friedrich Engels, Vladimir Lenin, Joseph Stalin, Fidel Castro, e para aumentar o balaio de gato: Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Eu deveria ter desistido ali, mas segui mais algumas páginas, e antes mesmo do primeiro capítulo se iniciar, ele afirma que usará ao longo da obra as palavras “Comunista”, “Marxista” e “Socialista” como sinônimos. Bem, larguei o livro na mesma hora, pois não poderia ser levado a sério.

Até para fazer uma crítica, é preciso conhecimento sobre o assunto a que se pretende criticar. Se pretende escrever um livro sobre isso, aí mesmo que precisa se embasar em conhecimento. Se desconhece a diferença básica sobre conceitos simples como “Comunismo” e “Socialismo”, não tem a menor capacidade de entender a diferença entre personalidades como Lenin, Lula, Marx e Stalin.

Por curiosidade, fui atrás do autor. Um jovem negro que usa seu Instagram exatamente como um blogueiro ostentação (branco e rico), que ele critica no início do seu livro. Não colocarei o link para suas redes sociais, porque eu não acredito que possa agregar nada a você. Ah, e ele tem um blog onde está no topo a frase OSTENTAÇÃO DE SABEDORIA. Humildade passa longe.

Em um dos textos, ele fala como ficar milionário com livros (como não pensei nisso antes?):

“Fala, rapaziada! Você sabia que o negão aqui já escreveu 9 livros, todos best-sellers? Pois é, sou pica!”

Bem, só fuja desse tipo de conteúdo. Não vale a pena.

Compartilhe:

Sobre Rodrigo Barros

Rodrigo Barros
Empreendedor e escritor, Rodrigo Barros é bacharel em Biblioteconomia e em Sistemas de Informação, com pós-graduação em Gerência de Projetos e MBA em Gestão de Marketing. Fundador e editor chefe na Cartola Editora.

Veja também

A história não contada dos Estados Unidos – Oliver Stone e Peter Kuznick

Title: A história não contada dos Estados Unidos Author: Oliver Stone e Peter Kuznick Páginas: …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Web Analytics