sexta-feira , 13 de julho de 2018
Home / Artigos / Resenhas / O exorcista – William Peter Blatty
Kindle paperwhite: Prático como você

O exorcista – William Peter Blatty

O exorcista Book Cover O exorcista
William Peter Blatty
333
Casa dos Livros
Terror
1971
978-8522031573

Sinopse:

Um clássico do terror com mais de 13 milhões de cópias vendidas, que mudou a cultura pop para sempre. O exorcista é o livro que deu origem ao maior filme de terror do século XX. Quatro décadas após chocar o mundo inteiro, a obra-prima de William Peter Blatty permanece uma metáfora moderna para o combate entre a fé e o profano em forma de um dos romances mais macabros já escritos.

O livro conta a história de uma atriz divorciada que vai gradativamente tomando consciência de que a sua filha de doze anos está tendo um comportamento completamente assustador. Sem confiar nos diagnósticos médicos, ela pede ajuda a um padre, que também é um psiquiatra, e este chega à conclusão de que a garota está possuída pelo demônio. Ele solicita então a ajuda de um segundo sacerdote, especialista em exorcismo, para tentar livrar a menina desta terrível possessão.

O autor:

William Peter Blatty (1928-2017) foi um escritor e cineasta estadunidense. O romance O Exorcista, escrito em 1971, é a sua obra mais conhecida e ele também escreveu o roteiro para a adaptação do filme, para o qual recebeu um Oscar. O autor também escreveu e dirigiu O Exorcista III.

A resenha:

Eu acredito que esta obra dispensa apresentações. Poucas pessoas ainda não assistiram ao filme “O Exorcista”, e mesmo as que ainda não assistiram, com toda a certeza, sabem muita coisa sobre a obra. O filme mudou a indústria do cinema e inspirou outras centenas de obras sobre o tema, que dominam a indústria do terror, não só no cinema, como em séries de TV, livros, HQs e outros tantos formatos de distribuição. Eu cresci ouvindo falar sobre esse filme e de como ele havia aterrorizado meus pais antes mesmo de eu nascer. Eu só fui ver o filme já adulto, quando este retornou as telas do cinema, em uma versão remasterizada e com cenas inéditas. Ainda que o filme tenha estreado em 1973, saí do cinema com a desconfortável sensação de medo. Assisti ainda às continuações, e também outros muitos filmes sobre exorcismo, mas até hoje nada se compara à sensação que eu tive ao assistir o original.

Não faz muito tempo, adquiri o livro que conta a história da possessão da menina Regan MacNeil. Felizmente, o autor do livro também foi o responsável pelo roteiro do filme, mantendo a história dos cinemas, bastante fiel a sua obra escrita. Nem preciso dizer que todo livro é muito mais completo que os filmes inspirados nele, e “O Exorcista” não é uma exceção. Não importa quantas vezes você viu o filme, o livro lhe trará mais detalhes, mais momentos de tensão e muito mais medo. Um exemplo aterrorizante do que estou falando: uma das cenas cortadas originalmente no cinema, que foi divulgada somente com a versão remasterizada, em que a Regan desce as escadas de costas, dura poucos segundos nas telas, já no livro, é contada em detalhes, com a menina circulando de forma assombrosa pela casa inteira.

As cenas que envolvem diálogos entre o padre Karras e o demônio, quando o sacerdote tenta livrar Regan de sua possessão, são ao mesmo tempo hilárias, com o deboche constante por parte do diabo, e também assustadoras em suas tentativas de desestabilizar emocionalmente o pároco. Sem falar que, se no filme os encontros entre eles acontecem poucas vezes antes do exorcismo final, no livro as passagens são diversas. A deterioração corporal da menina é contada em detalhes conforme sua transformação, e se você sentiu nojo da sopa de ervilha que a Linda Blair vomitava nos cinemas, se prepare: no livro a personagem não só vomita mais de uma vez, como também é bastante escatológica, se divertindo com sua flatulência, defecando na frente dos padres e mantendo o quarto insalubre para a presença de qualquer ser humano.

Se você é um amante do terror e gosta de ver filmes e ler livros para sentir incomodado, você não pode deixar de ter esse livro em sua coleção, cada detalhe é descrito de forma bastante verossímil, e não acredito que alguém possa lê-lo, e dormir em seguida sem se borrar de medo. Vale ressaltar que o livro foi baseado em uma história real de possessão, então, se você não estava ciente disso, lembre-se deste “pequeno” detalhe ao ler a obra.

Uma curiosidade, o livro tem 333 páginas, que é exatamente a metade de 666. Isso não pode ser coincidência.

Artigos relacionados

Compartilhe:

Sobre Rodrigo Barros

Rodrigo Barros
Empreendedor e escritor, Rodrigo Barros é bacharel em Biblioteconomia e em Sistemas de Informação, com pós-graduação em Gerência de Projetos e MBA em Gestão de Marketing.

Veja também

A história não contada dos Estados Unidos – Oliver Stone e Peter Kuznick

Título: A história não contada dos Estados Unidos Autor: Oliver Stone e Peter Kuznick Páginas: …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Web Analytics