Kindle paperwhite: Prático como você

Tempos modernos

Compartilhe:

Ele seguia para uma reunião de última hora, estava cansado, queria ir para casa para poder jantar e ver um pouco de TV antes de adormecer no sofá. Pelo menos, era isso que fazia quase sempre, enquanto ela ficava a sua frente terminando seus trabalhos no computador, após mais um dia de labuta.

O metrô estava lotado, como de costume na hora do rush, ele sacou o smartphone e começou a checar mensagens no Twitter e pensava em jogar um pouco de Angry Birds, antes de chegar a sua estação. Não estava frio, ao contrário, com o acúmulo de pessoas e o terno que usava, o calor até incomodava bastante.

Enquanto lia suas mensagens, observava as pessoas ao redor, uma senhora que segurava um menino pelas mãos, tentando se equilibrar durante os solavancos do vagão. Na outra ponta, um senhor com algumas bolsas atrapalhando o trânsito dos passageiros junto à porta, nada muito fora do comum naquele fim de tarde.

Considerando o anoitecer, ela já deveria estar em outra composição voltando pra casa, sem saber que ele demoraria um pouco mais para a hora do jantar. Pensando nisso, resolveu enviar uma mensagem para informar da reunião.

– Tenho uma reunião agora, vou demorar mais um pouco para estar em casa, o que é uma pena, queria logo chegar e estar em seus braços – escreveu.

Ela ao receber o recado respondeu:

– Tudo bem, eu vou preparar alguma coisa, tomar um banho e esperar você chegar. Você me ama mais do que ontem? – perguntou em tom de brincadeira.

– Claro que sim… Quando chegar quero te beijar até perder o fôlego.

Ela então questionou: – Mas e se eu morrer?

Ele sorriu e respondeu com uma ironia: – Morrer antes de eu chegar ou por perder o fôlego?

– Por perder o fôlego, a saudade eu aguento.

– De todas as formas de se morrer, seria lindo morrer de amor – ele respondeu.

Ela sorriu e sem perder o bom humor brincou com a declaração:

– Ai que brega…

Ele não perdeu a chance de se declarar novamente:

– Brega é morrer sem ter tido alguém por quem valesse a pena morrer de amor, e desse mal eu não morro.

Ela respondeu com um coração, enquanto voltava sorrindo para casa, com os olhos marejados e com a certeza de que sua metade, em breve estaria em seus braços.

Compartilhe:

Sobre Rodrigo Barros

Rodrigo Barros
Empreendedor e escritor, Rodrigo Barros é bacharel em Biblioteconomia e em Sistemas de Informação, com pós-graduação em Gerência de Projetos e MBA em Gestão de Marketing. Fundador e editor chefe na Cartola Editora.

Veja também

O plano perfeito

Tudo havia sido minuciosamente calculado e nada poderia dar errado. O velho homem sabia que …

Um comentário

  1. Que diálogo mais belo entre os dois. Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Web Analytics