Kindle paperwhite: Prático como você

Clara

Compartilhe:

Ao final de sua adolescência, Pedro conheceu Clara na festa de aniversário de um amigo em comum. Assim que se viram pela primeira vez, trocaram sorrisos e a empatia foi instantânea. Como estavam acompanhados, trocaram algumas palavras e nada mais. Curiosamente passaram a se encontrar mais vezes, sempre em festas ou encontros promovidos por esse amigo em comum.

Pedro estava de mudança para o Canadá, faria um intercâmbio de dois anos e pretendia levar a namorada consigo, enquanto Clara queria terminar os estudos e casar com seu noivo. Tão jovens e tão cheios de planos e compromissos para com o futuro.   Clara encantava Pedro, com uma vasta cultura e inteligência acima da média, só sua presença já lhe era afrodisíaca, excitante. A pele suave que pela tonalidade fazia jus a seu nome contrastava com os cachos e ascendência afrodescendente. O sorriso daquela menina era um pecado para quem precisava focar em ir embora com sua noiva.

Os encontros, antes esporádicos, se tornaram constantes. Encontravam-se para trocar livros e discos, conversavam sobre música e tomavam café. Tudo era motivo para estarem perto. E a proximidade levou ao inevitável beijo. Desciam pelas ladeiras de Santa Tereza, após um chope entre amigos, quando se olharam sob a luz da lua, em frente à visão dos Arcos da Lapa e do centro da Cidade ao fundo, quando se deixaram levar pelo desejo. Amaram-se durante toda a noite e repetiram o ritual por semanas.

Pedro se encontrava perdidamente apaixonado por Clara, e se via entre a cruz a espada:

Seguir o rumo que havia desenhado com sua namorada, ou seguir um novo caminho que a vida parecia lhe destinar?

Entre as muitas dúvidas que o afligia, havia ainda outro questionamento, se Clara também estaria disposta a largar seu rumo para seguir com ele. Ela também tinha dúvidas, não carregava consigo a certeza do melhor caminho. Decidiram-se por fazer o que consideravam certo a época. Separaram-se e seguiram os caminhos que haviam determinado antes de se conhecerem.

Ele nunca mais a viu ou teve qualquer contato. Mudou-se para o Canadá, casou e por lá viveu bem mais tempo do que o previsto. Mesmo após o divórcio seguiu vivendo no exterior e sempre que podia procurava por Clara. Primeiro o Orkut, depois o Facebook, pelo Google e por outras redes sociais disponíveis. Ele não queria nada, apenas ver mais uma vez seu sorriso. Mesmo procurando nos perfis dos amigos em comum, nunca a encontrou. Convivia com a dúvida do que teria acontecido se tivesse decidido ficar com ela, mas não ficou e, se culpava por isso.

Vinte anos depois da última vez que a viu, retornou ao Brasil. O País parecia outro lugar, a vida agora era completamente diferente do tempo em que se foi. Voltou ao Rio de Janeiro, arrumou nova casa, novo emprego e se estabeleceu novamente na Cidade Maravilhosa. Em certa noite, voltando de um evento na Lapa, lembrou-se de Clara, será que ela ainda morava por ali? Olhava pelas ruas, pelos cantos, na esperança de novamente esbarrar com seu sorriso, mas a busca foi mais uma vez em vão.

Um dia, próximo ao horário de deixar o trabalho, se preparava para ir pra casa quando acessou o Facebook no computador para ler as notificações e as últimas atualizações. Não resistiu e voltou a procurar por ela. Dessa vez a busca retornou um resultado diferente, entre as muitas “Claras” que lá apareciam, havia uma com um amigo em comum, era ela, a sua Clara. Ele clicou imediatamente em seu perfil e expandiu sua foto, ela estava ainda mais linda tanto tempo depois. Imediatamente pensou em deixar um recado, enviar uma solicitação de amizade, mas antes, procurou ler todo o perfil. Ela agora morava em uma cidadezinha do interior de Minas Gerais, estava casada com outro alguém que ele desconhecia, não era um amigo e nem noivo do passado.

Olhou por mais alguns minutos para sua foto. Clara não estava sorrindo, pensou mais uma vez em enviar uma solicitação, para que pudesse ter acesso a mais fotos. Queria ao menos dizer um “oi”, e observar de longe, o caminho que ela havia traçado. Não teve coragem, fechou a janela do navegador e decidiu não mais procurar por ela.

Compartilhe:

Sobre Rodrigo Barros

Empreendedor e escritor, Rodrigo Barros é bacharel em Biblioteconomia e em Sistemas de Informação, com pós-graduação em Gerência de Projetos e MBA em Gestão de Marketing. Fundador e editor chefe na Cartola Editora.

Veja também

O plano perfeito

Tudo havia sido minuciosamente calculado e nada poderia dar errado. O velho homem sabia que …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

Web Analytics