Kindle paperwhite: Prático como você

Quando é preciso mudar

Compartilhe:
Às vezes percebemos que algo não está bom. Enquanto esse algo pode ser resolvido, ótimo, resolva e siga em frente, mas nem sempre o que é preciso mudar é tão pequeno que é possível fazê-lo sem rusgas.

Quando tudo parece caminhar de uma maneira diferente daquela que você busca para atingir a sua felicidade, seja pessoal ou profissional, chega o momento de avaliar até que ponto, é preciso seguir nessa linha. Se for possível tentar um pouco mais, tente. Tente outra vez, quantas vezes for preciso, até chegar ao seu limite.

O seu limite não pode ser determinado por ninguém. Até onde você consegue esticar a corda, é algo que você determina, mas ela arrebenta, e você precisa escolher se larga a corda antes dela arrebentar, ou se espera para ver até onde ela estica. O problema, é que quando ela arrebenta, pode voltar contra você e te machucar.

Falhar não é nenhuma vergonha, todos falham, todos assumem posições que não podem sustentar, e todo mundo erra quando tenta acertar. Reconhecer que falhou, é o primeiro passo para recomeçar, no caminho certo, ou naquele caminho que você considera agora ser o certo.

Toda escolha que você fizer hoje, refletirá no amanhã indubitavelmente, então, se algo não está bem hoje, e você não fizer nada para mudar, o amanhã não será em nada diferente do que é agora.

Quando comecei a escrever esse texto, não pensei em dar conselhos, estava apenas fazendo uma reflexão. Quando escrevo na terceira pessoa, estou na verdade conversando comigo mesmo, transpondo em palavras os meus pensamentos.

Não espero mudar os seus conceitos, não espero que siga a cartilha do que escrevo. O que espero, é me convencer, e mudar. Mudar para alcançar um futuro diferente do que hoje é o meu presente.

Compartilhe:

Sobre Rodrigo Barros

Empreendedor e escritor, Rodrigo Barros é bacharel em Biblioteconomia e em Sistemas de Informação, com pós-graduação em Gerência de Projetos e MBA em Gestão de Marketing. Fundador e editor chefe na Cartola Editora.

Veja também

Cidade invisível: apropriação cultural e o complexo de vira-latas

Eu tomei conhecimento da série Cidade invisível, uma produção original da Netflix, ao acaso. Sim, …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

Web Analytics